quarta-feira, 8 de julho de 2015

Teletransporte

Enquanto a Lu queria ter superpoderes, e viu que pode fazer coisas incríveis mesmo sem eles, eu queria ter um único superpoder: teletransporte. Ou viajar muito rápido como o Flash, e continuar com o cabelo minimamente arrumado.

Há algum tempo vi uma frase que gostei muito, e uso como foto de capa no meu perfil do Facebook, que diz: estar perto não é físico. Isso porque tenho sentido muitas saudades de pessoas que não estão fisicamente próximas. Estão bem próximas de outras formas, umas graças às maravilhas da tecnologia, que nos permitem ver, ouvir e trocar palavras, outras muito mais pelo pensamento e pela sintonia que transcende tempo e distância.


Troca de palavras, piadas, fotos de caretas e de bebês fofos que crescem rápido demais, do corte novo de cabelo e do por do sol, frases tiradas de livros e que fizeram alguém querido lembrar da gente. Troca de receitas, de dúvidas, de conselhos e de tutoriais. Tudo isso a gente consegue fazer tendo uma conexão, um smartphone e amor. 

Mas às vezes não chega. Às vezes o cheiro do bolo, a voz perto do ouvido, o olho no olho, o colo e o cafuné, o abraço apertado que às vezes tira lágrimas sei-lá-porque faz falta. E nessas horas, estar perto é físico. É tocar. É estar perto mesmo sem falar. É rir das piadas internas e das lembranças que ninguém mais compartilha. É brincar sem pressa, sem contar os minutos ou depender de wi-fi.

E nessas horas eu queria muito poder me teletransportar. Dar um abraço apertado, dar e receber colo e passar mais tempo com gente que é tão querida mas que está tão longe. Fisicamente longe.

Renata está perto de tanta gente que está longe, mas às vezes não é suficiente.

2 comentários:

Luciana Piovesan disse...

Sempre digo que saudade é bom - faz a gente perceber que nossa vida tem valido a pena! Adorei o texto, Rê! Que a saudade siga te inspirando!

Renata Pereira disse...

Concordo plenamente quanto à saudade!
Beijão!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...