terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Despedidas e expectativas

Lilian agradece as oportunidades e desencontros que proporcionaram crescimento em 2013. Para 2014 ela deseja a solidificação de seu sossego interno e a prosperidade para os que dela necessitem.
                                                      
Em 2013 Mariana fez a vida virar do avesso às custas de lágrimas, angústias e gargalhadas. Hoje só tem a agradecer! Pra 2014 pretende ser feliz e seguir no mantra do desapego e da leveza!

Tânia deseja que, em 2014, as manifestações sejam mais concisas e menos midiáticas, e que o voto seja menos manipulado, e realmente consciente.

Déia deseja, em 2014, dedicar mais tempo àquelas pessoas que verdadeiramente fazem seu tempo valer a pena, cuidar de quem cuida dela com amor e apreciar todas as pequenas alegrias cotidianas.

Gabriela diz adeus a 2013 com muito amor e gratidão. Foi um ano longo, do jeitinho que ela gosta. Sonhos foram realizados! Para 2014 mantém o planejamento de não fazer tantos planos. Deseja leveza, para ela e para os seus, uma vida sob medida e sem excessos (exceto dançar, isso quer muito!). Quer mais mantras e menos turbilhões. E continua desejando que o tempo passe mais devagar...

Carla espera que em 2014 possa fazer a viagem que tanto espera. Que consiga ser presente na vida dos amigos e encontrar a felicidade ao lado de quem ama.

Andreia se despede de 2013 com um sorriso nos rosto, e espera que 2014 seja um ano muito bom, de muitas alegrias, de muito amor e de muitas realizações.

2013? Por este ano doido, que mudou sua vida, Gisele Lins é grata até não caber mais. Para 2014? Quer conhecer o mundo... Mais, muito mais desse seu novo mundo!

2013 foi um ano agitado pra Samira, cheio de conquista, de muitas incertezas que se tornaram possibilidades e agora são realizações. Em poucas palavras foi um ano cheio, e não necessariamente ruim. Que 2014 venha com muito trabalho, muitas viagens, e muito aprendizado. Samira espera poder cuidar mais da sua saúde, fazer mais exercícios físicos, adotar um gato e ter sabedoria para fazer boas escolhas. Espera aprender a bordar como a sogra, ser mais focada como o namorado, menos crítica com ela mesma. Mas o que ela mais espera é poder passar mais tempo perto do mar o qual tanto ama!

Juliana vai se despedindo de 2013 com alegria e sem tantos medos, foi com ele que aprendeu que "mudar de casa" é inevitável e que mais cedo ou mais tarde todo mundo vai e vem... que a vida é assim essa contração do primeiro minuto ao último segundo, e é aí mesmo onde está toda a graça e a força! Ela espera. Imensamente espera que 2014 seja suave, com verdadeiros e intensos encontros e outras coisitas mais...rsrrsr


Renata se despede de 2013 cheia de gratidão e já com saudades de tanta coisa boa que aconteceu do início até o finzinho do ano. O que não foi tão bom deixou lições que ela não quer esquecer, chegou até a escrever! E recebe 2014 de braços abertos, com coragem e disposição, cheia de vontade de viajar e aprender sempre mais. 

Nesse post as balzacas resumem o que mais marcou em 2013 e suas expectativas para 2014. E você? Conta pra nós como foi 2013 e o que espera para 2014!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Amiga Balzaca Vende Tudo


Ainda dá tempo de, na prorrogação do segundo tempo de 2013, trazermos uma fio de inspiração pra quem acha que mudar de vida é só pra os outros ou só se vê em filmes... Está aí uma Amiga Balzaca, de Porto Alegre, que resolveu vender tudo (tudo mesmo) e passar a régua na vida:  https://www.facebook.com/events/211773039007857/?previousaction=join&source=1 

Drepente30 fazendo todas as simpatias de fim de ano pra espantar a uruca e atrair renovação para todas as balzacas em 2014 (hoje, em especial, torcendo muito pela Priscila).

domingo, 29 de dezembro de 2013

Leveza

Desejo que em 2014 possamos...

nos despojar:
- das mágoas que insistimos em guardar;
- dos "mortos" aos quais nos agarramos tão desesperadamente a ponto de não permitirmos que sejam sepultados;
- das pequenas mesquinharias que nos aprisionam;
- dos sorrisos forçados que, muitas vezes, escondem nossos reais sentimentos;
- dos falsos amigos que nos bajulam
- e da terrível tentação das pequenas reclamações cotidianas...

E que possamos, ainda...

intensificar:
- os sorrisos;
- as brincadeiras; 
- as emoções;
- o ócio criativa;
- a leitura prazerosa;
- os exercícios físicos estimulantes e relaxantes;
- o convívio com quem amamos;
-e, principalmente, todo e qualquer gesto de amor...


Déia escreve aos domingos e deseja, de todo coração, que em 2014 todos consigamos abandonar os fardos pesados e desnecessários, e que possamos, sobretudo, perceber que as coisas que realmente importam exalam suavidade, doçura e leveza... 
E para coroar esses ideais para o ano vindouro, Déia oferece as sábias palavras de Cora Coralina:
"Fechei os olhos e pedi um favor ao vento: Leve tudo que for desnecessário. Daqui para frente apenas o que couber no bolso e no coração".


sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Eu Voltei


Eu sumi. Mas eu não sumi porque eu quis sumir, simplesmente. Passei por tanta coisa nos últimos anos, me perdi, me encontrei, me perdi novamente e finalmente me reencontrei. É difícil esta caminhada rumo a nós mesmos. E o pior é que nunca sabemos quanto tempo a caminhada irá durar. A minha, já me conformei, será eterna.

E então que durante este meu sumiço, encontrei tanta coisa, tanta gente, tanto sentimento que estava, ora guardado, ora esquecido, que consegui recuperar uma parte de mim muito, muito querida e que estava desacordada. Consegui realizar um grande sonho. Um sonho que me permitiu reviver momentos lindos.

Quando eu tinha apenas 19 anos fui fazer intercâmbio cultural na Tailândia. Isso foi em junho de 1995. Larguei emprego, estudos, namoradinho adolescente e fui-me embora desbravar o mundo. Foram meses maravilhosos, de intenso amadurecimento e engrandecimento pessoal. Conheci uma família maravilhosa que abriu os braços e o lar pra uma estranha: eu. 

No final do programa eu realmente me sentia em casa. Sabe quando você chega em casa da rua, já vai direto tirando os sapatos e abrindo a geladeira pra pegar água gelada? Quando chega e belisca da comida que está sendo servida sem nem lavar a mão? Pois é. Era assim que eu fazia. 

Minha volta pro Brasil foi sofrida. Não que eu não quisesse voltar, rever minha família, dar andamento na minha vida “de verdade”. É claro que eu queria. Mas eu estava me sentindo aterrorizada com a dúvida: será que algum dia eu vou conseguir rever esta família que se doou tanto pra mim? Era 1996, não havia tanto acesso. Internet? Email? Besteirada inimaginável. Recebi mais de 300 cartas manuscritas durante meu ano de intercâmbio (e respondi todas). Eu tinha medo de perder contato com minha família tailandesa. Temia que a memória – ainda que jovem – me traísse e eu acabasse por deixar o tempo embaçar lembranças tão importantes da minha vida. Tinha medo de que minha família se esquecesse de mim, que eu deixasse de fazer parte dela, que eu me tornasse apenas uma vaga lembrança naqueles corações. E eu chorava, chorava e chorava.

No início conseguimos manter algum contato por telefone. Nunca me senti capaz de escrever uma carta em tailandês. Costumo dizer que sou analfabeta funcional. O tempo foi passando e o contato, escasseando. Fui me agarrando cada vez mais às fotos e ao cordão que minha mãe tailandesa havia me dado. Em mais de dezessete anos, este cordão nunca saiu do meu pescoço, a menos que houvesse risco de eu ficar sem ele.

Até que um dia surgiu o Facebook. Fucei tudo até encontrar minha família. Voltamos a conversar com mais frequência. Aí veio o Whatsapp. Olhem que maravilha!! A tecnologia estava diminuindo a distância entre nós. Quantas e quantas vezes eu não chorei até desidratar ao conversar pelo Face com a minha mãe tailandesa e minhas irmãs? Era terrível ter que ficar me explicando: eu amo vocês, mas minhas condições financeiras são limitadas, preciso estudar, a passagem é muito cara... eu tinha só 20 anos quando eu voltei pra casa, né?

Quantas vezes eu fiquei desempregada neste período? Nem sei, de tantas que foram. Quantas vezes algum coisa deu errado e eu tive que mudar meus planos e adiar mais uma vez minha volta à Tailândia? Perdi a conta. Quantas e quantas vezes deu TUDO errado?! Eu já estava quase entregando os pontos. Aceitando e admitindo para todos a minha incompetência profissional que me gerava tantas outras incompetências. E o choro descia livre. Alguma de vocês já teve a sofrida – e inesquecível - experiência da desesperança? Eu tive. Dói. E é uma dor física. Aí um belo dia eu, durante minhas orações noturnas, implorei por um período de trégua na minha vida. Eu já vinha enfrentando inúmeras dificuldades de forma ininterrupta havia mais de 10 anos. Eu estava com mais de 30 anos e não enxergava luz no fim do túnel. Eu me sentia uma velha frustrada por não estar vivendo.

Parece que funcionou. A trégua veio. De repente as coisas começaram a dar certo. Eu recuperei minha saúde – física e mental. Consegui desacelerar, pensar menos no futuro, viver mais o presente. E, quando me dei conta, estava com passagens compradas pra Tailândia!! Hotéis reservados em Bangkok e em Phuket. Minha família tailandesa me esperando, fazendo planos. E mais uma vez eu me vi assolada pelo medo: depois de mais de 17 anos, como será minha recepção? Será que vou me sentir em casa? Será que vão me receber como uma filha? Será que vai ter tudo mudado? 

O mais engraçado é que o medo não faz parte da minha realidade. Eu não tenho medo de nada. Quer dizer, nas CNTP, meus medos se restringem a baratas e tubarões. Fui educada para não ter medo de correr atrás, de tentar, de arriscar. Confesso que entrei naquele avião tremendo de medo. Um misto de ansiedade e medo. Ainda bem que isto não abalou minha capacidade de dormir. E chegar em Bangkok, sabendo que minha família ia me buscar no aeroporto, foi relativamente rápido. O que são 36 horas em relação a 17 anos, né?

De cara, meu medo foi alimentado. Tornou-se um verdadeiro terror e quase abri a boca a chorar de tristeza nos primeiros minutos após passar pela imigração. Cadê minha família?! Eles não vinham me buscar?! Andei desolada de um lado para o outro, tentando me mostrar forte pro meu marido e amigos, mas morrendo por dentro.

Fui salva pelo meu marido. Tenho certeza que ele viu a tristeza nos meus olhos. Ele me acalmou, disse que ficariam ali enquanto eu dava uma volta pra ver se encontrava minha família. A gente não conhecia o aeroporto, vai que minha família estava por ali? Andei, andei, andei. E na medida em que andava, meus olhos se enchiam de água. Minha visão foi ficando turva, meu coração, apertado. Uma desilusão danada. 

Até que ouvi: LAETICIA, LAETICIA!!! HERE!! HERE!! E lá estava minha família todinha, inclusive os novos membros que eu só conhecia por fotos. Que chororô!! E de repente – momento merchandising – todos os meus temores desapareceram. Fui sendo tomada por um sentimento de pertencimento absolutamente inexplicável. Eu era parte daquela família, daquele lugar, daquela cultura. E eu voltei a ser a pessoa mais alegre do mundo!! E a mais poderosa!! Aquela que é capaz de tudo, de mover mundos e fundos pra ser feliz!! 


Laeticia chegou da realização de um sonho há 17 dias e não vai esperar mais 17 anos para rever sua família tailandesa. Não dá mais.



sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Os intrometidos


E continuando a onda do melhor do meu mau-humor, essa é vez dos intrometidos. Já escrevi sobre o tema há um bom tempo, mas, infelizmente, ele é recorrente.

Para quem já leu o texto “O Lixo”, de Luís Fernando Veríssimo, e acha que é ficção, não, não é! Eu tenho vizinhos que vigiam meu lixo! E, não contentes, ainda comentam comigo! Isso ocorre há muito tempo, e sempre me incomodou. É mais um assunto que tento relevar pela política de boa vizinhança, mas há momentos em que essa intromissão passa dos limites.

Para se ter uma ideia, eu passei a rasgar em pedacinhos as caixas dos meus remédios, pois eles me perguntavam como estava minha saúde, pois eu estive tomando tal medicação! Ei, como eles sabiam? Ou foi pelo lixo, ou tem câmera em minha casa! Vivo ao lado dos “vigias do Grande Irmão” e nem sabia?! Impressionante!

Se fosse só isso, ou somente eles que se preocupassem excessivamente com minha vida, ainda dava para tolerar. Mas tem muito mais. Até hoje insistem para que eu tenha filhos. Admiro as mulheres que querem, gostam, e são mães de verdade. Mas tem mulher por aí que só coloca filho no mundo, para a sociedade criar. E ainda acham que isso é ser mãe. Eu não me senti na vontade de ser mãe até hoje. Pode ser que isso um dia mude, mas não é como me sinto agora. E ninguém respeita isso. Estamos no século XXI, ou é só imaginação minha, e vivo no Brasil Colonial?! Já tive amigas que falaram para mim que quem não gera, não é mulher! Meu Deus, então sou homem?! E olha que essa é uma frase que eu poderia esperar ouvir de pessoas bem idosas, e não de pessoas da minha geração!

Tem mais da categoria dos intrometidos? Tem! Viajei, como faço pelo menos uma vez no ano, sozinha. Acho bom, e é um momento meu, de descanso, de desligar de tudo. Isso me faz bem, e recomendo. Acontece que sempre, em qualquer lugar, há intrometidos de plantão. Dessa vez, havia um grupo de senhores e senhoras, que viajou comigo, e a gente se conheceu no ônibus, que não se conformava por eu estar viajando sozinha. E olha a vigilância aí, gente! A todo o momento alguém me perguntava o motivo de estar sozinha, e sempre convidavam para andar no grupo deles. Era uma turma legal, animada, mas também muito intrometida.

Passando por estas e outras, penso que a gente não pode ter mesmo um comportamento diferente do padrão. Mesmo se a gente tenta não aparecer, ficar na surdina, pisar de mansinho, alguém vê e questiona cada hábito. Viver em sociedade é mesmo para os fortes!



Mini-resumo: Assim como no outro texto, Tania ainda não está na TPM. Mas, se estiver, e daí?!?!? Rs...



quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Aqui me tens de regresso.


Nossa, eu aqui outra vez. E pela primeira vez em 5 anos escrevendo de um note em português, sem precisar de revisão ortográfica. (Êêêêêê, minha editora Andreia, que o diga - ela deve estar colocando as mãos para o céu nesse momento).

Dizem que a vida é aquilo que acontece quando estamos vemos televisão. Na vida moderna, a vida é aquilo que acontece quando não estamos em frente ao computador.
Como toda mortal, minha vida também não é perfeita (pasmem!) e tem várias pedras no meu sapato. Mais do que eu gostaria de contar, que causam calos e feridas. Algumas estão abertas, sangrando... e não vão desparecer assim como o gênio da lâmpada. Eu tenho que lidar com isso!

Mas eu tô assim, de boa com tudo, mesmo assim. Percebi que se eu esperar para que tudo esteja em seu lugar para ser feliz, esse dia nunca chegará. Que se eu esperar pra viver quando meus filhos se formarem, quando eu comprar a casa no Rosa, quando eu receber uma promoção de emprego ou quando aquela pessoa mala resolver esquecer da minha existência, vou sobreviver apenas esperando por algo que nunca acontecerá.

Óbvio que muito crescimento pessoal aconteceu nesse processo de amadurecimento para que eu chegasse aqui. Mas sim, eu cheguei lá!!!!!!!! Lá naquele lugar que eu me sentiria bem, sem precisar que todas as coisas ao meu redor estivessem bem. Naquele lugar onde me aceito e sinto que sou ok do jeito que sou, parando de exigir coisas absurdamente inatingíveis para a maioria dos seres humanos, parando de pensar que posso ser super tudo. Me permitir ser quem sou.

Então assim, divido sorrisos, tento passar ao próximo à beleza de se estar saudável, ter forças para começar um novo dia, e me permeando na ideia de que eu realmente quero que quando as pessoas lembrem-se de mim, sozinhas, elas tenham um sorriso no rosto.

Que esse bem-estar tenha vindo pra ficar e que seja eterno enquanto dure. 

Amém, que assim seja, e todas as coisas que o valem.

2014 continue dessa forma meu amigo, que estou aqui de braços abertos para recebê-lo. Cheia de vontade.





Lil escreve aqui bem esporadicamente. Com a alegria em estar viva, e, somente esta ser um motivo suficiente para sorrir e fazer sorrir.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Gente chata


Por favor, me desculpem, mas, mesmo sendo época de festas, escrevo para destilar meu mau-humor! Há coisas que irritam, mesmo que não tenham a intenção de irritar. É claro que a gente leva na esportiva, e conta como comédia, o que, no fim, é hilário mesmo! O assunto agora é o comportamento das pessoas.

Todo mundo tem aquele colega pedante, que se acha demais. Alguém tem que achar mesmo, e é melhor que seja o próprio. Pois é, eu também tenho alguns conhecidos assim. Há momentos em que tento sair de perto, para não ser deseducada, mas, confesso, está difícil. Preciso de dicas para evitar essas pessoas!

Tenho um conhecido, o famoso “mala sem alças e sem rodinhas”, que só conversa com vocabulário riquíssimo, que ninguém utiliza desde o século XIX! Para piorar, ele tem a mania de inverter a ordem dos termos das orações. Assim, se eu digo “nós vamos à festa”, ele diz “à festa nós iremos”! Tudo bem, é o bom uso do Português, mas, no cotidiano, isso enche! Se você não acha, experimente conviver com um sujeito assim somente por algumas horas, e depois me diga se não sentiu falta de um antiácido!

E há momentos mais críticos. Ele conta piadas! E acha graça, e quer que todos achem também. Não contente, se a gente não rir da piada, ele a explica! É claro, um sujeito assim pensa que, se não acha graça é porque não entendeu a piada! Pode piorar? Sim! As piadas são de extremo mau gosto, e com conteúdo pornográfico. Pode me chamar de conservadora, mas não gosto, e acho inadequado homem que conta essas piadas diante de mulheres! Pelo menos, nesses casos, ele poderia perguntar se a pessoa gosta desse tipo de humor! 

Sim, isso gera mau-humor em mim! E sei que deveria relevar. Mas tenho relevado há anos, e o sujeito em questão é de meu convívio social, e não há como evita-lo completamente! Então, o jeito é, nem que seja por escrito, desabafar esses pequenos aborrecimentos!



Mini-resumo: Tania não está na TPM, como podem pensar. Só resolveu escrever sobre o pedante em questão


domingo, 15 de dezembro de 2013

Livrai-me

E que a cada manhã possamos dirigir a seguinte oração a deus, à deusa, aos deuses, à energia cósmica universal, à buda, à krishna, ao anjo da guarda, ao santo protetor ou, simplesmente, a nós mesmos e à nossa própria força interior...

Livrai-me...
- de toda tristeza que insiste em se instalar em meu peito;
- de toda mágoa que me impede de seguir adiante;
- de todas as más intenções que corroem a minha paz de espírito;
- de todas as palavras ácidas que me impedem de ser mais doce;
- de toda inveja e de todos os maus pensamentos que consomem minha energia;
- de toda ansiedade e impaciência que roubam minha tranquilidade;
- de toda raiva que instaura o caos dentro de mim;
- de toda angústia que oprime meu coração;
- de toda falta de fé, seja nas pessoas, na própria vida e, principalmente, em mim mesma;
- de toda falta de sonhos;
- de tudo o que faz mal e apequena a alma;
E, principalmente, livrai-me de todas as amarras que me prendem e que ofendem minha liberdade de ser, de agir e de sentir.


Déia escreve os domingos e espera conseguir livrar a si própria de toda "bagagem" desnecessária que impede a leveza da vida.

 

sábado, 14 de dezembro de 2013

Como é difícil dizer adeus...


“Como é difícil dizer adeus”, dizia o título da reportagem. Uma matéria de revista que me chamou atenção, falando sobre a morte, simbólica ou concreta, e a problemática da finitude: o amor, a dor, o apego... E eu que sempre me considerei aberta ao novo, ao diferente, às mudanças, me peguei (ou quem sabe dizer apeguei!) pensando de como isso no fundo, não é de todo verdade. De diferentes proporções e contextos, nem sempre os que se dizem “modernos” e desapegados como eu, estão isentos de doses generosas, muitas vezes “cavalares”, de apego. Apego às pessoas, às histórias compartilhadas, às memórias. Apego a velhos hábitos, apego a costumes... Um amor que parte, uma amizade distante, um lar, uma cidade ou um país que fica para trás. Um emprego que não há mais, ou rumos diferentes na trajetória profissional. O fato é que por mais flexíveis e abertos que somos, por mais simpatia com o novo que temos, nos vemos, diversas vezes, presos a situações/pessoas/hábitos/ lugares que já nos deram conforto, nos trouxeram bons momentos, nos transformaram e até, nos transmutaram. E eis que o conflito do velho e do novo se instala em nossos corações: 

- Abro mão ou não abro?

- Deixo ir, deixo seguir?

- Vou ou fico?

- Mudo ou não mudo?

- Luto ou aceito?

O fato é que dizer adeus nunca é tarefa fácil. O consolo é saber que a vida é quem manda e nem sempre você. Talvez isso acalme os corações mais ansiosos....


Gabriela gosta de filosofar sobre o tempo, a vida e suas próprias contradições. E praticando o desapego, gostaria de aproveitar para já dizer adeus ao ano VELHO, com gratidão, por tudo que ele trouxe - bom e ruim - e dar boas vindas ao NOVO ano que estar por vir!


quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Eu me covarde.


Eu te bagunço
Eu te deleito
Eu te viajo
Eu te descanso
Eu te descalço
Eu te presente
Eu te perfumo
Eu te convenço
Eu te confesso
Eu te converso
Eu te conservo
Eu te converto
Eu te cozinho
Eu te fito
Eu te fotografo
Eu te arrumo
Eu te fumo
Eu te acho
Eu te sirvo
Eu te invento
Eu te espero
Eu te desejo
Eu te silêncio
Eu te respiro
Eu te desenho
Eu te falo
Eu te planto
Eu te rego
Eu te “vero”
Eu te venero
Eu te Verona
Eu te Veneza
Eu te velo
Eu te revelo
Eu te procuro
Eu te sossego
Eu te passo
Eu te mergulho
Eu te atravesso
Eu te escuto
Eu te quero
Eu te curvo
Eu te conserto
Eu te concerto
Eu te verso
Eu te engaveto
Eu te acesso
Eu te ilumino
Eu te barroco
Eu te derreto
Eu te publico
Eu te confesso
Eu te confuso
Eu te vejo
Eu te velejo
Eu te conservo
Eu te concreto
Eu te chamo
Eu te reclamo
Eu te delícia
Eu te delírio
Eu te enfeito
Eu te devoto
Eu te decoro
Eu te mamilo
Eu te macio
Eu te macero
Eu te machuco
Eu te perco
Eu te rezo
Eu te zero
Eu te copio
Eu te escuto
Eu te

Juliana as vezes escreve quando não pode dizer "Eu te ..." isso mesmo!


quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

trans-FORMAÇÃO


Vamos combinar, esse ano não foi fácil pra absolutamente ninguém. Não há um amigo se quer que diga que foi um ano tranquilo. O fim dele se aproxima, chega o momento do balanço. Pra mim foi um ano de profundas transformações. Exceto pelo que carnaval que foi indescritivelmente transcendental, o primeiro semestre foi marcado uma enorme infelicidade profissional. A angústia era tanta que sugava minha energia vital, não sobravam forças pra cuidar das plantas, muito menos de mim. Por mais que não quisesse, isso se refletia em todas as instâncias da minha vida. Foi um ano de perda de pessoas queridas, mas também de chegada no mundo de pessoinhas tão amadas! Foi acima de tudo um ano de muita luta! Luta política, ideológica, luta contra a balança, luta contra valores que já não me cabiam mais, luta por justiça, verdade, luta por amor (principalmente o próprio) e por sabedoria. Vi muito fogo, choro, grito e guerra na careta capital que eu vivo – a cena das bombas caindo do céu e o cheiro (bem como os efeitos) do gás lacrimogênio nunca vão sumir da minha memória.

Mas é comum a vida imitar a natureza. Tudo seca e queima no outono pra depois vir a primavera transformando tudo com beleza, cor e perfume – sábia natureza! E como é difícil imaginar a calmaria em plena tempestade! A primavera trouxe pra minha vida uma avalanche intensa de transformações. Hoje sou uma pessoa melhor, não uso relógio, muito menos despertador. Trabalho meio horário, pertinho de casa. Vivo minha sexualidade com liberdade, responsabilidade e leveza. A luta contra a balança talvez nunca chegue ao fim, mas estou de bem comigo e com meu corpo – nado, faço RPG, cuido da alimentação (tudo sem paranoia). Me sinto capaz, madura, valente. Tenho tempo pros amigos, pra família, pras plantas, pro cachorro e principalmente pra mim. Nesse exato momento eu sou a melhor versão de mim mesma, só tenho a agradecer a vida pelo processo natural de transformação. Axé.


Mariana escreve esporadicamente e esse é seu último texto do ano. Ela não vai fazer listinha de propósito para o ano que vem pois não há o que pedir, só a agradecer.



segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Batalha Sexual No Campo dos Apps

Fui radical: desativei a plataforma de aplicativos do Facebook. O Motivo? O tal do novo Aplicativo “Tubby” que está com sua estreia programada para esta quarta-feira.



"Arreguei" e tenho medo, não das possíveis avaliações de quem realmente teve uma relação comigo (bom, pelo menos não da maioria, um que outro pode ter algum rancor), mas daquelas que seriam feitas por aqueles que queriam ter algo comigo, ou dos que tiveram pouca coisa e gostariam de ter mais, e não tiveram. 

Homens tendem a rotular mulheres e classificar comportamentos femininos muito antes da internet surgir. “Esta é pra casar”, “dama na sociedade e puta na cama”, “fácil”, “vadia”, “santinha do pau-oco" e outros tantos  termos que todas nós conhecemos e já ouvimos da boca de algum homem (em tom de piada, ou não). Imaginem os tipos de expressões possíveis em um aplicativo para uso exclusivo (e anônimo) masculino com a finalidade de avaliar a mulher e “descobrir se ela é boa de cama”. Deu medo em você também? Não? Então vou lembrá-las que na vida real muitos homens já contam vantagens e inventam histórias,  e tantos outros se deixam influenciar pelas opiniões de seus amigos nas escolhas de suas parceiras, lembrem-se, também,  que todos os homens em seu perfil estão aptos a fazer e ler avaliações sobre você, não só seus amigos, mas seu chefe, seus empregados, seu professor, seus colegas, seus parentes... E que estas avaliações seriam apenas sobre sua suposta performance sexual. Constrangedor, não?

Este aplicativo em questão seria uma resposta masculina, bem ao estilo “Clube do Bolinha” (pra quem não sabe, o nome do Bolinha é “Tubby”), ao aplicativo Lulu. Nunca usei o tal Lulu, e nem concordo com a ideia de alguém ser avaliado e rotulado, de forma anônima e sem seu consentimento prévio, o que eu considero uma espécie de invasão de privacidade... Porém o Lulu é brincadeira de mal gosto de menina. Menina no sentido de mulher imatura. (A Babs, do Garotas Geek, se prestou a listar  todas as hashtags e saciar a curiosidade alheia). Sinceramente, nenhuma MULHER com um mínimo de maturidade levaria a sério tal aplicativo e se deixaria influenciar na escolha de seu “provável-alguma-coisa” por avaliações que ali constassem. E se alguma idiota fizer isso e deixar de sair com alguém, este homem pode se considerar um sortudo que se livrou de um problema.

A ideia do Lulu seria formar uma espécie de cadastro de "bons e maus partidos", feito pelas próprias mulheres, no anonimato, para que elas pudessem fazer escolhas inteligentes sobre seus parceiros. Aham, senta lá... Que mulher inteligente levaria isso a sério? Se uma mulher realmente acha que determinado homem é um bom partido, pode ter certeza que ela não sairá por aí dizendo #MãosMágicas #SafadoNaMedidaCerta e aumentando exponencialmente a concorrência. Muito mais provável que alguma mulher tente esculhambar com um ex #NãoQuerNadaComNada #NãoFedeNemCheira ou tente gerar insegurança em alguma relação alheia avaliando um comprometido como #DeletaHistórico  #StripClubVIP... Tal aplicativo é um prato cheio para as recalcadas e para as intrigas, isso sim!  E muitas das avaliações negativas nem são de fato depreciativas para os próprios homens. #ArrotaEPeida #FalaPalavrãoPraCaralho? Quem não conhece um punhado de homens, de 8 a 80 anos, que até se orgulha dessas atitudes “brucutu-mundo-macho”?  As avaliações de cunho sexual que realmente seriam ofensivas para boa parte dos homens, #PauPequeno e #Brocha, inexistem (até onde sei ou foi divulgado) . Apesar de toda essa parte ruim de avaliar e rotular pessoas, o lado  falso- positivo seria uma abertura para uma ampla discussão sobre as diferenças de gênero, afinal, houve uma  inversão de papéis sem precedentes, em que pela primeira vez um grande número de homens se sentiu objeto, ou seja, este seria um bom momento para que todos refletissem sobre essa questão. Mas não. 

O que acontecerá? O mais previsível possível: um aplicativo revanche, nos mesmos moldes, porém piorado, focando na avaliação do desempenho sexual feminino. 

Um outro aplicativo imbecil, que se realmente for lançado ( há a teoria de que ele não passa de um hoax ou de uma estratégia de marketing de alguma outra coisa) divertirá muitos homens, certamente, porém trará danos a muitas mulheres. Por quê? Não sejamos ingênuos, por mais positiva que na visão masculina seja uma avaliação sexual, para a mulher ela será sempre negativa, ainda mais se pública. Esqueceram que vivemos numa sociedade machista em que ainda é "mal-visto" uma mulher gostar de sexo (a Renata escreveu sobre isso )?

Se uma mulher está com um homem e ele é avaliado como alguém que #NãoLigaNoDiaSeguinte por 20 outras, ela vai pensar “ainda bem que ele não ligou pra vocês, pra mim ele liga” #ChoraRecalque #BeijosPrasInimigas. E se um homem tiver sua mulher avaliada como #EngoleTudo #CurteTapas (as tags divulgadas) por 20 outros? E essa avaliação for visível para todos seus amigos homens?  Nenhum amigo engraçadinho fará uma piadinha de mal gosto que o aborrecerá? Não surgirão apelidos? Ele vai achar que é legal que ela seja reconhecidamente boa de cama, ou pensará que ela é uma vadia sem valor? Tenho muitas dúvidas se os homens realmente enxergarão este aplicativo como algo meramente “recreativo” e “inofensivo”, e que nenhuma hashtag será capaz de mudar a maneira como enxergam suas mulheres, suas amigas e suas colegas, e que acharão o máximo as notas altas de suas mães e irmãs  #Safadas #Cavalas. 

Sim, eu excluí meu perfil neste aplicativo preventivamente, excluí o aplicativo do Facebook e aproveitei para excluir toda a plataforma de aplicativos (adeus joguinhos, sentirei a falta de vocês), caso ele resolva voltar a acessar minhas informações (segundo uns conhecidos, isso aconteceu com perfis excluídos do Lulu). Se for um hoax, caí na pegadinha, se for um spam, haja paciência. Mas, se for verdade, eu pelo menos tentei preservar um pouco a minha imagem. 

Andreia escreve raramente, e está casa vez mais decepcionada com os rumos que as redes sociais têm tomado. Ela aproveita para  lembrar que uma relação sexual é feita por pelo menos 2 pessoas, e que para ser considerada boa, precisa haver química entre os envolvidos. E que isso é altamente relativo! Uma mesma mulher pode ser considerada frígida por um, e ninfomaníaca por outro.


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Gente, sexo, internet

Gente, há meses não escrevo aqui. Por falta de tempo, mesmo, não de vontade e muito menos de assunto.

Mas abri uma brecha para escrever sobre um assunto que está me incomodando demais! O caso e a repercussão da menina que se suicidou após ter suas imagens fazendo sexo divulgadas na internet.

Fiquei chocada com o suicídio. Fiquei chocada com a reação das pessoas, tanto nas conversas aqui e ali, quanto nos comentários nas redes sociais. Gente se colocando como superior, do tipo: nessa idade eu brincava de boneca... Essa nova geração está perdida. 

Mulheres incentivando que se eduque melhor as meninas para evitar tal exposição!

Esse caso deve ser sim, usado para evitar tragédias no futuro. Concordo. Mas alguns moralistas de plantão entendem que isso quer dizer que as meninas devem “se dar ao respeito”. 

Antes de pensar me partir para algum julgamento ou conclusão, vamos aos fatos:

- Adolescentes fazem sexo. Aliás, pessoas fazem sexo. Moralistas, vocês fazem sexo também. E seus pais também fizeram. 

- São necessárias no mínimo duas pessoas para fazer sexo. Para filmar sexo, também.

- Não temos controle sobre conteúdo que é colocado online. Foge das nossas condições e devemos, sim, ter cuidado com ele. Nossos netos poderão acessá-lo.

- Os meninos têm ou deveriam ter tanta responsabilidade quanto as meninas no sexo (lembram, duas pessoas?) quanto nas consequências dele. E eles têm, e devem ser ensinados a ter, tanto auto-controle quanto se pode esperar de uma menina. Mães e pais de meninos, por favor, atentem para isso.

- Adolescentes (meninos ou meninas) podem ter capacidade limitada de perceber as conseqüências das suas ações. E podem ter muita dificuldade em lidar com o julgamento e com a reação dos pais (experiência própria). 

Esclarecidos os fatos, algumas considerações:

O sexo e a filmagem (que eu não assisti, porque não tem absolutamente nada a ver com a minha vida, e porque eu tenho controle do que assisto) foram feitos por duas pessoas. Até onde entendo, sem intenção de que fosse divulgado.

O contexto da divulgação eu não conheço, poderia ter sido acidental (sim, acontece), mas vamos pensar que tenha sido intencional, uma vingança. Não vi ninguém falando sobre a ação do menino, nem uma notícia sobre isso (se vocês viram, por favor, coloquem nos comentários). Vi muita gente julgando a menina por ter feito sexo (lembrem-se, todos fazem) e por ter feito o filme (que ela não fez sozinha). Mas ninguém julgando o menino por ter traído a confiança e ter exposto a si mesmo (se for homem então tudo bem?) e exposto a menina também. Que machismo todo é esse?

A menina tem que “se dar ao respeito”? Se você pensa assim, é porque acha que as mulheres não merecem respeito, elas precisam provar isso. Já os homens não precisam provar? Por quê?

As pessoas julgam que a menina errou ao se deixar levar pelo momento, que ela estava gostando (ah, sim, além de todas as pessoas fazerem sexo, a grande maioria gosta. E tudo bem.) e que isso é condenável. O menino expor a menina, de caso pensado, sem poder prever nem controlar a extensão do dano, não é condenável. Tem alguma coisa errada nessa lógica.

O caso ficou mais trágico porque a menina, sem conseguir lidar com as consequências (não do sexo, nem do filme, mas da publicação do filme) toma uma atitude irremediável, e se suicida. Hora de as famílias pensarem na forma em como lidam com os filhos adolescentes, seus dramas e preocupações. Não julgo nem por um momento a família da menina, não conheço nada sobre o contexto. Mas dou uma dica para as demais famílias com filhos adolescentes, e não é reprimir, nem mostrar esse caso como uma ameaça de castigo, nem ficar falando de como era no seu tempo... a dica é: deixe seus filhos saberem que você os ama em qualquer situação. Que as pessoas fazem coisas das quais se arrependem, e que tudo bem. Que não se pode confiar em todo mundo, infelizmente. Que a intimidade de uma pessoa é valiosa e que, se ela for violada, você vai ajudar seu filho a tentar recompor a situação.

Esse tipo de situação vai ser mais freqüente. E a novidade é a internet, com seu acesso mais fácil e mais rápido a cada dia. Sexo, adolescência, novidade, vingança, machismo... Isso tudo já existe há muito tempo. Quem sabe a gente começa a mudar a parte dos preconceitos, a ver que gente é gente, e a ser mais generoso e menos moralista?


Renata fica muito irritada ao perceber um machismo às vezes até inconsciente na fala das pessoas, fica triste por ver como isso afeta ainda a vida das mulheres e convida todo mundo pra começar a semana pensando na sua própria reação a atitude sobre casos como esse.



sábado, 2 de novembro de 2013

Um livro, muitas dores: “Holocausto Brasileiro”

Tenho indicado alguns livros por aqui, e até contraindicado outro. Dessa vez, o livro que indico é extremamente triste. E o problema é que não é ficção. 

O livro “Holocausto Brasileiro”, de Daniela Arbex, narra a história do maior hospício do Brasil, em Barbacena, MG, que, de 1930 a 1980 matou cerca de 60 mil pessoas. Não há como usar palavras mais brandas para o que ocorreu dentro do chamado Hospital Colônia de Barbacena. E o livro mostra ainda muitas fotos de internos, nus e seminus, esquálidos, famintos, desamparados. São cenas que não conseguimos assimilar, que não conseguimos aceitar que aconteceram tão próximas em tempo e espaço de nós. Naquele local, muitas pessoas foram internadas, por suas famílias, porque não se adequavam ao modelo de cidadão na sociedade. Assim, havia mulheres internadas porque perderam a virgindade antes do casamento, ou engravidaram fora do casamento, muitas vezes de homens já casados. Havia também mulheres internadas pelos maridos, que não desejavam mais manter o casamento, e se livravam das esposas, informando que estavam loucas, histéricas. Muitos homossexuais, comunistas, pessoas deprimidas, ou somente tímidas; todos tinham comportamentos considerados inadequados para viver em sociedade. Todos eram despejados no Hospital Colônia. 

Daniela Arbex narra como funcionava o hospício, as práticas desumanas, os eletrochoques, que eram tantos que chegavam a sobrecarregar a rede elétrica, e faltar luz na cidade de Barbacena. Narra que as pessoas não eram tratadas como pessoas, e viviam descalças, seminuas, dormindo no feno, entre ratos, no frio, e sem higiene. Tudo isso causava muitas mortes por desidratação, por diarreia, por febre e por frio. Não se morria por loucura! Conta ainda que existiram crianças internadas, que conviviam com adultos. E que havia estupros tanto entre internos, quando de abusos de funcionários aos internos.

Há ainda histórias de pessoas que saíram do Colônia, no final do século XX, com a luta antimanicomial, e a mudança de conduta dos médicos. Entretanto, essas pessoas enfrentaram inúmeras dificuldades para reintegração na sociedade. Além do preconceito por terem vivido num hospício, era difícil para pessoas viverem em casas, com comida, bebida, com roupas e calçados, e sem hora para apagar as luzes. São histórias bonitas, de quem conseguiu sair do inferno, mas muito tristes.

Apesar de toda essa dor, e dessa realidade absurda, acredito que o livro deve ser lido, para que conheçamos nossa história, e para não permitamos que fatos horríveis como este aconteçam mais.



Mini resumo: Tania ficou chocada, abalada com livro, embora conhecesse a história do hospício de Barbacena, e já tenha ido ao Museu da Loucura, que funciona no local do manicômio. Ela acredita que é preciso conhecer, mesmo as histórias mais tristes, para evitar que fatos parecidos possam ocorrer novamente.







segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Beleza: quem põe a mesa?

Hoje me deparei com a seguinte imagem: 

Imagem original: http://www.naturallycurly.com/
adaptação/tradução: Laura de Vasconcello
Eu retirei da Marcha das Vadias de Brasília






Para mim, esta imagem, mais uma vez, reflete a pressão social ilógica que a mulher sofre para se enquadrar em determinada aparência. Porém a moda é mutável, e o que hoje é bonito e desejável, há um tempo não o era, e daqui algum tempo, provavelmente não será.

Quem é balzaca há mais tempo tem memórias dos anos oitenta. Nessa época a moda ditava cabelos crespos e volumosos, e, sim, mulheres de cabelos lisos, inclusive loiras, sofriam com sua aparência. As tais “permanentes”, longas sessões com um produto químico forte e fedorento para formar cachos, eram comuns, e eu, pré-adolescente, com uns 10 anos de idade, numa época politicamente incorreta em que o que hoje é considero bullying era "brincadeira normal de criança", me submeti a uma, para me sentir "bonita". Algo inimaginável, hoje, para uma jovem de 18 anos.  Praticamente fui taxada de racista, e provavelmente considerada burra e fútil por alguns, por comentar isso no post em que vi a imagem, mas o cartoon tem uma ruiva, que é considerada pessoa branca criticando a aparência da loira! Logo, sob o meu ponto de vista, não é um cartoon sobre discriminação racial – sim, esta existe, e é bem forte e não é meu tópico aqui, nem sou qualificada para escrever sobre, antes que mais alguém me interprete equivocadamente. 

Cabelos dos anos oitenta, daqui

A moda é mutável, assim como estes tais padrões de beleza.

Mas quem define estes padrões de beleza? Com qual interesse? E, mais ainda, porque muitas mulheres ainda se submetem a eles?

Semana passada houve uma “polêmica” na internet wannabe TV aberta: fotos das candidatas à miss bumbum, num jogo de futebol, em que as suas celulites ficaram evidentes. Agora, observando as fotos destas mesmas mulheres no site oficial do concurso, os corpos parecem ser de outras pessoas (na verdade, o são, pertencem ao imaginário do responsável pelo tratamento digital das fotos seguindo orientações de algum superior). O tal padrão de beleza “mulher gostosa” também é uma ilusão. Mulheres bundudas têm celulite, mesmo as que passam metade do dia dentro de uma academia e não consomem uma gota de refrigerante.

E sim, mulheres com celulite e gordas já foram o padrão de beleza vigente!

Eva, linda, sedutora, pecadora,
"mulher fatal" e gorda, na visão de Michelangelo Buonarroti. 

Aliás, padrão de beleza é uma das maiores falácias da nossa sociedade. A palavra “padrão” é um tipo, um modelo, algo que se repete, por definição. O modelo de beleza disseminado não se repete na vida real. É uma exceção, corresponde a uma minoria, e em alguns casos, é uma invenção.

O resultado é danoso para nossa sociedade. Muitas mulheres são infelizes com sua aparência, se submetem a tratamentos estéticos dos mais diversos, inclusive cirurgias, buscando a tão sonhada beleza, que pode variar de "fashion loira magra" à popular "mulher fruta". E muitas ainda desenvolvem doenças, de depressão a distúrbios alimentares diversos, que podem, sim, matá-las.

Acredito que está na hora de evoluirmos e pararmos de dar valor ao que é aparente, ao que é temporário, ao que é ilusão. Por uma sociedade em que o conteúdo seja mais importante que a embalagem. Sim, estou sendo irônica com a objetificação feminina, outra prática que deveria ser abolida.


Andreia escreve raramente e acredita que toda mulher pode ser linda, dentro da sua especificidade.


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Das flores que sempre voltam.

Minha mãe sempre me dizia: “Não fique igual a mim. Seja independente e sociável”.

Confesso que não assimilava muito bem quando era criança, mas aquilo ficou como um mantra na minha memória. Nunca julguei que ser igual a ela fosse ruim. Pelo contrário. Sempre admirei muito sua dedicação com a gente. Foi por ela ser do jeito que é, que somos uma família. 

Outro dia li uma postagem num blog que falava sobre uma reportagem, dessas revistas direcionadas ao público adolescente, que estaria influenciando o comportamento de meninas. Uma coisa meio assustadora do tipo: qual a opinião dos meninos a respeito das meninas que são para ficar e as meninas que são para namorar. 

Mudar a cultura de um povo é possível, mas demora “mil anos” pra acontecer. Infelizmente a nossa cultura tem essa base machista de objetificação da mulher. E com todas as mudanças que aconteceram até hoje, estamos vivendo uma fase de objetificação dos homens também, vamos combinar né gente? A coisa tá meio “objetificante” demais! 

Daí uma coisa que me incomodou foi: - em que estágio de evolução estaremos, quando a minha filha for adolescente (ela tem 2 aninhos)!? 

Mas será que isso é mesmo uma coisa para se preocupar? Qual a influência dessas revistas ou outros meios de comunicação na cabeça da minha filha? 

Bom...por isso falei da minha mãe no início. O mantra dela me serviu de escudo. Ela talvez não tivesse ideia, mas estava fazendo uma revolução em uma cabeça. A minha cabeça. Que não se deixou influenciar por nada das coisas ruins que chegaram até a minha cabeça de menina. 

Pronto! Livre do incômodo estágio de evolução das outras meninas, entendi que a minha menina vai precisar de alguns mantras pra continuar ser a pessoinha descolada que já se anuncia. 


LorisB. se preocupa em ser. E anda se adaptando a essa tarefa tão prazerosa de ser mãe.



sábado, 28 de setembro de 2013

Sonhava que estava sonhando


Não há como negar, estou numa fase de transição. Pela primeira vez na vida, estou desempregada. Por enquanto isso ainda não me preocupa. Mas ao mesmo tempo, sei que já é bom começar a botar a cachola pra funcionar em busca de uma solução.

Essa noite sonhei que voava (morrendo de medo – igual a Carla) de João Pessoa pra cá num avião poc-poc. No meio do caos aéreo, tive um sonho dentro de um sonho. Nele sonhava que comprei uma máquina de sorvete, um freezer e comecei a viver vendendo sorvete! Mas eram sorvetes criados, experimentações gastronômicas, pouco açúcar, pouca gordura, muito amor – delícia cremosa!

Mas essa transição não é apenas profissional. Tudo muda mesmo pra quem tem mais de trinta!



Mariana escreve esporadicamente e anda pensando se é idiota celebrar dez anos de vida do seu adorável cão e em como ela escreve de maneira desconexa.


sábado, 21 de setembro de 2013

A vida com Música!


Com toda essa especulação do Rock in Rio é quase impossível pra mim não falar de música. Minha vida tem trilha sonora e cada dia me surpreendo mais o quanto ela pode transformar o meu humor.

Isso acontece comigo quase que o tempo todo e posso ouvi-la mesmo que esteja tudo em silêncio.

Ontem a minha música foi: la bela luna. Estava saindo de um congresso e de repente lá estava ela. Linda, enorme, brilhante e bem na minha frente. Impossível pra mim não lembrar dessa música.

Quando eu era criança quase adolescente cresci com meu pai ouvindo Paralamas do Sucesso. Ele gostava tanto que contagiava a todas nós. Quando digo “nós” me refiro a mim e minhas irmãs (uma mais velha e outra mais nova). Minha irmã mais nova é minha irmã só por parte de pai, mas é considerada como a minha irmã mais velha que somos irmãs de mesmo pai e mãe.

Conheci minha irmã mais nova quando eu tinha 15 anos e ela quatro e sempre meu pai se lembrava dela quando ele via a lua. Meu pai dizia: “ como diz Lelê, olha : la bela luna!”. 

Ontem minha música tinha um quê de infância e a voz do meu pai (apesar de ser dos Paralamas)!

Por mais que eu pense
Que eu sinta, que eu fale
Tem sempre alguma coisa por dizer
Por mais que o mundo dê voltas
Em torno do sol, vem a lua me
Enlouquecer
A noite passada
Você veio me ver
A noite passada
Eu sonhei com você
Ó lua de cosmo
No céu estampada
Permita que eu possa adormecer
Quem sabe, de novo nessa madrugada
Ela resolva aparecer
A noite passada
Você veio me ver
A noite passada
Eu sonhei com você



A vida da Samira segue com trilha sonora, e a sua também tem música?



sábado, 7 de setembro de 2013

Necessidades do mundo moderno


Não tenho necessidade de viver do mesmo jeito que todos vivem.

Não tenho necessidade de possuir a televisão mais moderna, o melhor tablet (ainda nem tenho um!), o melhor celular (o meu tem 3 anos, e só agora está começando a dar defeito), o carro mais caro, nem de morar no apartamento mais bem localizado da cidade.

Não preciso ter os móveis mais caros, a melhor decoração do lar, as roupas de grifes mais famosas, os sapatos mais caros. Isso não me interessa. Não me diz nada. 

Mas todos me cobram essas coisas, justamente porque não me enquadro. E o problema é que não tenho necessidade de me enquadrar. Mas que essas cobranças são chatas, ah, isso são!

O estranho é que ninguém me cobra livros para ler. Ninguém me cobra filmes para assistir. Ninguém me cobra passear a pé e ver o pôr-do-sol. Ninguém me cobra músicas para ouvir. Ninguém me cobra o fim de tarde com amigos num bar. Ninguém me cobra os dias em casa, na rede, ou brincando com a cachorra vira-lata, que faz festa quando chego. E é isso que me importa. É isso que me interessa. 

O melhor não é o que eu tenho na vida, mas a vida que eu tenho! E confesso, eu gosto muito disso! Gosto de caminhar todos os dias. Gosto de ir ao cinema. Gosto de ouvir muita música sempre! E cantar, mesmo desafinando...! Gosto de ficar em casa, sim! Parece que a sociedade proibiu, censurou isso. Gosto de deitar na rede e pensar em nada de importante. Gosto de fins de tarde em bares, com amigos, rindo e conversando! Gosto de ser recebida em casa com alegria por um bichinho de estimação, quando chego cansada do trabalho. Gosto de ler livros que me acrescentem alguma coisa. E gosto de revistas em quadrinhos, para me distrair. Gosto de viajar, e adoro voltar para casa! Gosto de namorar, e me divertir com uma boa companhia! 

E tudo isso vale mais do que as necessidades do mundo moderno de possuir itens materiais que se tornaram símbolos da felicidade Mas são só coisas. Não são pessoas, valores, sentimentos. 

Desculpem, mais uma vez, o desabafo. Ando assustada com o comportamento da sociedade em que vivemos. Não consigo compreender essas necessidades, ou carências. 



Mini resumo: Tania tem tentado entender o comportamento das pessoas, mas se assusta com a falta de profundidade do pensamento atual.


terça-feira, 3 de setembro de 2013

Gente

Gente que olha cardápio de padaria como se fosse manual de instruções de foguete em russo. Gente que responde a tudo com um sorriso. Gente que ama livro infantil.

Gente que pergunta o que quer saber. Gente que não quer nem saber.

Gente que dorme de olho aberto. Gente que ronca quando ri. Gente que ronca quando dorme. Gente com fotofobia. Gente viciada em Sol. 

Gente com pouca memória. Gente com muita memória. Gente que vive do passado. Gente que vive sem futuro. Gente que não se perdoa. 

Gente, gente! Tudo gente! Igual a mim. Igual a ti! Gente com feijão no dente, com pulga atrás da orelha, com a corda no pescoço. Gente que leva tudo a sério. Gente que leva tudo na brincadeira. 

Gente com chulé.

Gente que não consegue erguer uma sobrancelha só.

Gente que usa palavras dos outros para dizer o que sente. Gente que não sente.

Gente que sente demais. 

Gente que cozinha, que divide, que olha no olho. 

Gente que pede e que dá socorro. 

Tudo gente!

Mau motorista. Gente que vai pro Spoleto sem saber o que vai pedir! 

Gente que lê livro de auto-ajuda. Gente que não se ajuda. Gente que se veste diferente. Gente que ri de si mesmo.

Tudo gente!

E por que a gente não lembra disso, que gente é tudo gente, e trata os outros como trataria uma pessoa da família? Ou como gostaria de ser tratado? Não só gentileza gera gentileza, como lembrar que o manobrista, a garçonete, o motorista apressadinho são pessoas! Assim como eu e você.


Renata acha que a gente esquece que os outros são gente como a gente, e que lembrar disso pode deixar a vida bem mais legal!





sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Solidão coletiva


Estamos cada vez mais sozinhos. É, hoje o texto é triste. Mas é a realidade. Temos a cada dia mais canais de comunicação, com a intenção, e a impressão de estarmos cada vez mais próximos, cada vez mais conectados. Estamos. Estamos? Temos milhares de amigos em redes sociais, agendas telefônicas gigantescas, listas diferenciadas para cada assunto de mensagem e grupo de pessoas para quem queremos enviar. Estamos o dia inteiro ao celular, na rede, e mesmo nos bares, nas baladas, nos shows, na vida social agitadíssima que precisamos ter para podermos encontrar todos os nossos amigos, e viver intensamente, e mostrar que estamos vivendo intensamente. 

Mas estamos cada vez mais sozinhos. Nossos inúmeros amigos não suportam ouvir nossos desabafos quando precisamos. Eles nos querem alegres e felizes sempre, para aproveitarmos tudo da vida. Isso é aproveitar?

Os consultórios dos psicólogos estão cada dia mais cheios, mais concorridos. E isso ocorre na época em que estamos mais próximos do mundo inteiro. Mas não temos tempo para passar o tempo, para conversar sobre a vida, para ver o pôr-do-sol, para fazer nada, mas nada mesmo. 

Quando éramos desconectados, tínhamos pouquíssimos amigos. Mas eles sempre estavam por perto quando precisávamos. Sim, estes amigos ainda existem. Mas todos nós temos cada vez menos tempo para a vida real; para os amigos reais. Na rede, amigos reais e amigos ocasionais, ou simplesmente alguns que adicionamos porque são gente boa, todos têm o mesmo status de amigos. Mas isso não corresponde à verdade. É até injusto com os amigos leais, aqueles poucos que realmente nos suportam nos momentos difíceis. São amigos matemáticos, onde quanto mais, melhor. Quanto mais, maior sua popularidade nas redes. 

E nossa solidão coletiva, conceito atualíssimo, afogamos nas baladas, e vivemos tudo de uma vez, sem sentir cada momento. 



Mini resumo: Tania está introspectiva. Na atualidade, isso é um crime. No mínimo, confunde-se com depressão. Ninguém mais pode querer pensar sobre a vida. É inimaginável.


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Simples assim

“Quanto mais simples a casinha mais sincero o bom dia.” – Fernanda Takai

A cada dia penso mais e vivo mais essa gostosura de simplicidade. Gostosura de viver perto das coisinhas mais simples e mais sinceras da minha vida. Meu cantinho, que é meu. Minha pequerrucha que é minha cúmplice e vem se tornando minha companheirona. - Amor demais! – Meus trajetos que se tornaram mais curtos. Meus sonhos que se tornam cada vez mais tranquilos. Meu sono que vem se reestabelecendo. Meu trabalho sendo reconhecido, por quem precisa ser, sem alardes. Pessoas boas se aproximando...

Descobrindo que viver é tão gostoso e tão mais simples do que eu achava ser. 

Não me vejo mais naquela outra que era tão ansiosa por não estar conseguindo “estabelecer metas de vida, alcançar objetivos”, e ver o resultado convertido em grana! Essa não era a minha vida. A minha vida é essa que vivo agora. Sou simples. Não sonho, e nunca sonhei em conquistar o “topo”. Talvez, por isso, eu não lutasse para conquistar. Não era o meu caminho. Sou simples. Agora sim. Sou simples. Sou eu. 

Muito prazer, 

LorisB.



LorisB. está feliz e desejando muito que todos seus amigos queridos sejam também.



terça-feira, 6 de agosto de 2013

Cara de sim


Sempre gostei de forró, embora não tenha talento algum. E sempre aproveito qualquer oportunidade de praticar um pouco bastante mais. Há algumas semanas, estava em um lugar que respira forró e, como sempre, vários caras se aproximavam e tiravam minha amiga para dançar. Nem sequer percebiam que eu estava ali, doida pra dançar. Ela é linda e dança bem, mas isso acontece SEMPRE, com qualquer amiga que eu esteja. Penso que eles deveriam me chamar para dançar também, nem que fosse por educação... afinal, eu não danço tão mal assim! Eu acho... Aí em geral eu fico ali, vendo o pessoal dançar, o que também é legal, mas nem tanto.

Dessa vez, resolvi descobrir o que há de errado: chamei um moço para dançar, depois de ele ter dançado N vezes com a minha amiga, e perguntei:

- Por que você não me chamou para dançar?

Esperava uma evasiva, uma desconversada, mas ele veio com a resposta:

- Até pensei em te chamar, mas teu semblante diz que não.

Eu não estava preparada pra isso: cara de não. Minha cara de nada é cara de não. Minha cara de paisagem é cara de não. Nem imagino como devo parecer quando estou com cara de não de verdade! Medo! Confesso que eu já sabia que tinha cara de não, e que já tirei vantagem disso. Mas eu achava que era só quando eu fazia de propósito!

Aí começou o exercício da cara de sim. De olhar mais nos olhos das pessoas, de sorrir mais, de aceitar a aproximação dos outros. É um exercício, tenho muito que experimentar ainda! Mas os resultados preliminares da cara de sim são animadores! Dancei bastante, até quase aprendi a rodar! Conheci muitas pessoas fascinantes, cheias de histórias para contar e aprendi um monte com cada uma delas. Compartilhei de outros olhares, sabores e outros gostos musicais. Ganhei muito e espero que tenha doado ao menos um pouco. 


Renata segue exercitando, um sinzinho de cada vez.


terça-feira, 16 de julho de 2013

Prospecção

Não sei se vocês já ouviram que, às vezes, o melhor jeito de continuar andando é dar um passo para trás. Essa é uma dessas frases feitas, que normalmente vem acompanhada de uma imagem de alguém na beira do precipício.
Hoje eu entendo completamente. Não que eu tenha chegado na beirinha do precipício (e se cheguei eu estava com a cara tão enfiada no computador que nem percebi). Mas eu tomei uma decisão de dar um passo para trás para continuar andando.
Eu sempre quis manter ao menos um pé na academia, mesmo trabalhando desde sempre em outras áreas. Antes com educação, agora em uma ONG socioambientalista. Fiz mestrado sem bolsa e trabalhando 40 horas. Contei com apoio de muita gente, mas não posso dizer que foi fácil e nem que meu trabalho foi plenamente satisfatório. Agora estava fazendo doutorado: seleção, proficiência, créditos, passei por tudo isso. Mas estando longe de todos, sem financiamento, sem tempo e sem paixão pelo tema trabalhado, estava muito difícil. Tentei ir levando, passei noites trabalhando, importunei mil pessoas com perguntas, li, li, li.
E desisti.
Não desisti de fazer doutorado! Mas desisti de ficar dando murro em ponta de faca. Optei por me afastar um pouco e melhorar a perspectiva, tipo gente que depois de certa idade precisa afastar o material de leitura para focar melhor as letras. Estou nessa fase de olhar pros lados focando nas letras, para encontrar uma nova oportunidade, que seja mais favorável academicamente e com a qual eu esteja mais envolvida.
 
Deu medo de perder (o pouco) que já fiz. Deu medo do julgamento dos outros (e pior de todos, do meu mesmo!). Deu medo de estar me precipitando. Mas eu fiz. E sabem o quê? Me sinto bem confortável com essa decisão.
Renata está no modo prospecção, e está gostando!

sexta-feira, 5 de julho de 2013

O que valorizar


Quase todos os anos escrevo sobre o que preciso mudar em minha vida, como não estressar com fatos irritantes do cotidiano, ou o que devo fazer para desligar, despreocupar do que não tem como mudar. É uma forma de reafirmar valores, pensamentos, intenções. 

Sei que não é fim, nem início de ano para as boas e velhas promessas que a gente nunca cumpre, mas, novamente, sinto a necessidade de escrever, para mim mesma, sobre as coisas na vida que preciso dar mais valor, e o que não devo valorizar tanto, para ter uma vida melhor; para aproveitar o melhor da vida. 

E sei que tem tanta coisa, que parece boba, mas, que se a gente pensar, se estive ao contrário, seria o caos. Assim, tenho tentado dar valor ao fato de viver numa casa arrumada, com chão encerado, banheiro lavado e limpinho, sem bagunça, sem badulaques, sem excessos, com conforto, e sem dívidas. Tenho valorizado uma boa conversa, brincadeiras, bares, jantares, shows, teatros, cinemas, passeios, romance e amizade. Preciso valorizar mais os cuidados e presentes que recebo de quem me ama, e demonstrar mais amor e carinho para quem ano. 

Ao mesmo tempo, tenho tentado não dar tanta importância para quando a casa ainda precisa de uma limpeza, quando as janelas estão sujas, quando há uma papelada acumulada para jogar fora, ocupando espaço na casa. Preciso desligar para os momentos em que as pessoas próximas estão de pouca conversa, e não pensar que é descaso, ou falta de atenção. Preciso entender que é momento, ou característica dessas pessoas, e aceitar. Preciso não me importar tanto com atrasos para compromissos, ou esquecimentos das pessoas, ou com pessoas que não gostam de opinar, nem de se comprometer com nada. Também tenho que aprender que há pessoas que são assim, e não me incomodar com isso. 

Enfim, preciso saber valorizar o que realmente vale a pena, e conseguir aproveitar tudo e cada momento bom da vida, sem me preocupar com coisas de pouca importância. Agora é só colocar isso em prática!!!! (Como se fosse fácil, num piscar de olhos! Rs...) 



Mini-resumo: Tania tenta, há muito tempo, dar importância ao que tem valor de verdade na vida, e desligar do que não tem valor. Mas saber o quanto isso é difícil.... 


sábado, 22 de junho de 2013

Violência

Me desculpem se eu estiver jogando gasolina em alguma fogueira por aí...

Sou contra a violência. Mas prefiro carros queimados a índios queimados. Prefiro depredação do patrimônio público do que remoção forçada de ocupações urbanas. Prefiro vândalos no centro do que policial dando tiro na cabeça de adolescente na periferia. Prefiro o trânsito parado por uma manifestação do que pelo excesso de carros. Às vezes você precisa escolher um lado. O movimento das ruas não é uma micareta com transmissão ao vivo pela Globo. O embate é político e ideológico. Não se engane. Sou contra a violência.


Mariana é bisneta de índio, apóia as Brigadas Populares, é educadora de adolescente da periferia, não tem carro, planta alface na janela do apartamento, chorou segunda-feira respirando muito gás lacrimogênio, tem se interessado cada vez mais em conhecer seus direitos e dorme toda noite com a consciência tranquila sobre seus atos.



terça-feira, 18 de junho de 2013

Santo remédio

Gente, descobri um negócio milagroso! De verdade! Funciona e recomendo pra todo mundo!

Tira olheira, melhora o humor, aumenta a disposição! Melhora o sono, a digestão, as relações pessoais e incentiva o autoconhecimento. 

Fortalece as pernas e os laços familiares. 

Aumenta a criatividade!

Recomendo usar por, no mínimo, dez dias, e os efeitos serão melhor percebidos e mais duradouros.

O nome do santo remédio: FÉRIAS!


Renata descobriu que esse santo remédio tem também alguns efeitos colaterais, como uma pancinha que se instalou no abdômen (nada) chapado dela, mas mesmo assim vale a pena!


sexta-feira, 7 de junho de 2013

Mudança


Perdi de mim mesma. Ainda não sei quando. Se na meninice dos 20 ou nos desejos dos 30. 

Busquei o caminho de volta. E nesse caminho encontrei pedaços desconhecidos de mim. Apanhei-os. Estranhei-os. Aceitei-os e cheguei até a amá-los. Depois acabei por juntar todos. E com eles em mãos iniciei o gratificante trabalho de me reinventar.

Outras pessoas vieram. Uns deixaram carinho, aconchego, conforto, palavras doces. Cada pedacinho de coisa boa esculpida, transformada e absorvida por mim. Outras passaram só para olhar... E ainda houve aquelas que trouxeram coisas não tão boas, a princípio, mas que ajudaram a moldar o que hoje tenho como a grande vitória. O meu ser fortalecido e em contínua transformação.

Sem querer parar e apaixonada pela vida, tenho agora o controle sobre o que sou e o que quero. 

Certa de que as escolhas que fazemos são sempre as melhores para a nossa vida. 



Nesses últimos dois anos, Lorisb. aprendeu que sofrer por amor dói. Mas passa. Que amigos verdadeiros ficam ao seu lado sempre, mesmo que distantes. Que preconceito é o pior dos sentimentos. Que as situações mais difíceis te impulsionam. Que é muito gratificante crescer e ajudar a crescer. Que a maioria das pessoas prefere acreditar em contos, ditos, fábulas, ou na própria imaginação. Que perdoar é muito difícil, mas é possível, e necessário. E que se você não se abre para o novo a velhice da alma pode te pegar. Cuidem-se!






domingo, 2 de junho de 2013

Às vezes você se dá conta...


Às vezes você se dá conta que:
é sempre gentil com as pessoas;
sempre as trata bem;
sempre as recebe com um sorriso no rosto;
sempre percebe quando elas estão tristes;
sempre se preocupa e demonstra essa preocupação;
sempre demonstra quando sente saudade;
sempre manda recadinhos carinhosos;
sempre deixa as pessoas saberem o quanto são especiais p/ você.
É tudo, sempre, você...
E, às vezes, somente às vezes, você se pergunta se alguém, algum dia, percebe isso...
E então você dá de ombros e, mesmo achando que talvez isso não faça diferença p/ ninguém, você continua agindo assim, porque esse é o seu jeito de ser.
E quando você menos espera alguém lhe surpreende...
Foi isso que aconteceu ontem. Uma ex aluna, chamada Juliane, me procurou no Facebook dizendo que a cada vez que ouve a música "Dia Especial" (do Cidadão Quem) lembra de mim.

Fiquei tão emocionada por provocar esse sentimento em alguém que quase chorei... :)

Déia escreve aos domingos e, muito feliz com o carinho recebido, deixa a música para vocês ouvirem.  :)





Dia Especial (Cidadão Quem)
Se alguém
Já lhe deu a mão
E não pediu mais nada em troca
Pense bem, pois é um dia especial
Eu sei
Que não é sempre
Que a gente encontra alguém
Que faça bem
E nos leve desse temporal
O amor é maior que tudo
Do que todos até a dor
Se vai
Quando o olhar é natural
Sonhei que as pessoas eram boas
Em um mundo de amor
Acordei nesse mundo marginal

Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo
Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo
O amor é maior que tudo
Do que todos, até a dor
Se vai quando o olhar é natural
Sonhei que as pessoas eram boas
Em um mundo de amor
E acordei, na terceira Guerra Mundial.

Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo
Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo...

Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo
Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...