quarta-feira, 11 de março de 2009

O raio do Quase


Os otimistas que me perdoem, mas o “quase” é uma desgraça.

Alguém que quase “alguma coisa” só tenta se convencer de que esteve a ponto de chegar lá, de conseguir, mas na prática, continua sem nada, como desde o início.

Sempre é melhor ter a expectativa cortada de vez. É preferível fazer logo uma burrada absoluta a quase conseguir alguma coisa. Quase conseguir é humilhante. É baterem com a porta na sua cara, tirarem o pirulito da frente da sua boca, tropeçar na linha de chegada. Quase é um mais ou menos, nem lá nem aqui, um limbo, pois não é completamente um “não”, mas também não é de todo um “sim”. Logo, quase, não é nada, praticamente não existe.

Nem venha dizer que o quase possui seu aspecto positivo, do tipo “que bom, ele quase morreu, mas está vivo”. Bom uma ova. O fato dele (só) quase ter morrido significa que ele esteve bem perto da morte, então, mesmo não chegando às vias de fato, não é bom coisa nenhuma. O mesmo serve para qualquer outra situação.

"Ufa, quase bati o carro” – é péssimo, pois o retardado ou sofreu, ou cometeu algo muito ruim para ter chegado próximo a isso.

“Quase me atrasei” – é pior, pois quem diz não está atestando que não se atrasou, mas sim chamando a atenção para o fato de que não acordou ou não se organizou para ter corrido o risco de não chegar na hora.

Pior é que o raio do quase é extremamente contagioso. Deviam batizar a tal moléstia, pois quando as coisas dão para quase acontecer uma vez na vida de alguém, vira febre e o coitado certamente vai passar um tempão convalescendo da quasequeluche, quasefaléia, quasequeíte, ou o que valha. Pior ainda é que não inventaram uma quaseostomia, ou seja, a extirpação, remoção incidental do quase que assola um indivíduo, para que as coisas voltem a andar no prumo para ele.

Ou sim, ou não, pelo amor de Deus! Quase é sacanagem. Alguém por acaso já ficou quase grávida? Quase rico ou quase pobre? Quase empregado? Alguém já botou os pés num tal lugar que chamam de quase lá?

Porque cargas d’água então é permitido quase conseguir alguma coisa? Blasfêmia! O indivíduo absolutamente não conseguiu e pronto. Beleza. Ou conseguiu e pronto. Beleza também. Quase conseguiu? Sinto muito caríssimo, você não tem nada, só uma espera frustrada e o gosto azedo dos que experimentam o “quase”, junto com uma sensação “quase” como que da ressaca, de quem estava embriagado com o querer muito alguma coisa, e que  chegou a vê-la se aproximando, mas acabou sem ela, e ainda estatelado na calçada, quasêbado.

Gisele Lins escreve aqui às quartas-feiras. Nesta, especialmente furiosa com copos quase-cheios.

7 comentários:

Milena disse...

Puxa, eu achei o texto hilário. Sei que não era a sua intenção, já que era pra ser um texto furioso. Mas foi muito bom de ler!

bjos

Lila disse...

Da onde vem tanta indignacao meu Deus.
Celebre o fato entao de estar quase viva, quase la...
O quase existe sim e pode ser bem real.
O que acontece quando tens uma ideia subjetiva do la? O la nunca e um la. O la muda de lugar a medida que conquistamos novos objetivos.
Estarmos quase la significa que passamos por varias etapas de de alcance de objetivos e portanto estamos no quase. Porque o chegar la nao existe.
No momento em que chegamos onde queriamos estao a trilhoes de dias atras, o la entao se torna mais distante.
O quase la de hoje ja foi um la bem distante um dia.
Sera que tu nao ta vendo um copo quase vazio demais????

Anônimo disse...

Tenho sentido falta dos posts diários..
Já estava bem acostumada a chegar no trabalho e ter sempre algo novo no blog de vocês.
Acho que fiquei mal acostumada.. hehehe
Ninguém postou ontem, e já estou aguardando o de hoje..

Acho que posso chamar de vício!!

=)

Lila disse...

Ta bom, ta bom, eu entendi...
;-)

Renata disse...

Náo posso deixar de lembrar de um quase bem importante, do Veríssimo-o filho: pois embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

Beijão!
P.S.: espero que tua fúria já etnha passado!

Laeticia disse...

Eu entendo perfeitamente o azedume do quase: quase passei no mestrado da UFMG e quase passei no mestrado da USP a despeito de todo o meu esforço, de tudo que eu tive que abrir mão pra quase passar e depois tomar na cara. Antes tivesse tomado pau na primeira e não na última prova. Porque bola na trave definitivamente não é gol.

Alessandra Krusciel disse...

O quase é o perto, próximo, p ex, estamos 'quase' longe e 'por pouco' tempo pq foi 'por um triz' e por faltar 'quase' nada d dinheiro ainda não saí d POA e fui p/MB-CA.Desculpa as brincadeiras, mas o importe é que a vida é cheia sim d 'meio termo' d 'meio sim' e 'meio verdade'. Ufa ainda bem, pq nem tudo dá p/ser 8/ 80, o 8,5 é ótimo.Quase saudades

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...