quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Corda Azul

Era manhã de uma sexta-feira, setembro de 1930.

Ela abriu os olhos e ainda deitada na cama percebeu envolta em seu pescoço uma corda azul.

Laço forte, embora com grande espaço para respiro, pontas soltas que iam até seus pés.

Pousou as mãos e quieta tentava enteder como a corda viera parar ali.

A casa em silêncio fazia trilha para seus pensamentos que velozes buscavam sentido.

Fechou os olhos e via a imagem de uma pequena árvore, toda bem verdinha e no meio dela: um menino. Bravo menino. Carregava uma bússula, um canivete, um espelho, um escudo e uma corda azul.

Ela então percebeu.

Voltou de novo a ser menina.

Juliana escreve esporadicamente.

Um comentário:

Rafaela Tatagiba disse...

Gostei muito do blog. Por vários motivos...
O principal que existem mulheres iguais a mim. Cada escritora tem uma característica igual a minha, gostam de escrever. Postar no blog e são de 30.
Mulheres de 30....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...