segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Percurso

Hoje acordei com vontade de escrever, na verdade nem sei se dormi realmente. Estive pensando nesse texto por muito tempo, não sei se estava sonhando ou se estava acordada, mas sei que agora estou aqui. Tudo está girando em torno de uma frase que escutei essa semana: “a gente não pode roubar da gente mesmo”. Fiquei pensando em todas as vezes que já roubei de mim mesma, que tentei me enganar, que me dei rasteira, e é estranho, pois temos sempre uma desculpa, um argumento, ou um pensamento que amenize a situação que, no entanto, sabemos que é ridícula. Pensei nos meus sonhos, nas minhas idealizações e aspirações e vejo que muitas vezes eu me puxo pra trás, por que? Uma vez me fiz essas mesmas considerações em voz alta conversando com um amigo e ele me perguntou – você tem medo de ser feliz? Por mais estranho que possa parecer alguém ter medo de ser feliz a pergunta me acertou em cheio e até hoje não me esqueço disso.

Tenho pensado cada vez sobre isso e sinto que estou cansada da minha parte que quer ficar parada. Nessa última semana fui aquela que persegue os sonhos, fiz planejamentos e os segui a risca, foi muito bom, me senti aquela que eu quero ser. Hoje percebi que alcancei algo que achei estar muito distante de mim, descobri o que eu quero pra mim, e é incrível por que quando a gente sabe o que quer o caminho se mostra para nós, por vezes será difícil, mas pelo menos agora o vejo e sei aonde vou chegar.


Que a razão continue agindo sobre mim; que os olhos sejam faróis e iluminem meu percurso.

8 comentários:

Bel M. disse...

Olá Silvia, puxa, que lindo seu texto...Coincidentemente esse final de semana eu assisti ao tão falado documentário O Secredo...Parece q vc o 'desvendou'... até mais

Mia disse...

Rs.. Não gosto muito de leituras de auto-ajuda (pra não dizer nadinha). Daí que se sua aflição não ceder, tenho uma sugestão de leitura (caso tenha tempo): Pedro Demo, Dialética da Felicidade. O cara fala de tudo, de todos os aspectos da vida. Muito interessante!
=**

Paula disse...

Adorei seu texto, Silvia. Este lance de mentir para a gente mesma, de tentar se enganar é muito mais normal que a gente pensa.
Ainda bem que a razão nos toma de sobressalto e põe a casa em ordem!
Continue no seu percurso!

Angel disse...

Às vezes nós temos medo dos nossos sonhos, de dar aquele passo necessário para que boas coisas se concretizem. Talvez porque não estamos certos de que sejam boas mesmo.
Coma a sua certeza tudo fica mais fácil e claro.

Tudo de bom!
Beijos!

Sabrina Norton disse...

Às vezes a gente se boicota porque tem preguiça ou medo de arcar com as consequências de atingir nossos sonhos. Pessoas poderão nos criticar, etc. Se a gente quer mesmo uma coisa o sonho passa a ser uma "visão" a ser perseguida. Ai, ai, chega de filosofar. Espero que tenha ajudado.

Sisa disse...

Oi Silvia,
Eu e Fafá tínhamos uma expressão na faculdade que era "dar um golpe na consciência". A gente sabia que tinha alguma coisa pra fazer, sabia que se não fizesse estaria errado e nossa consciência não daria paz, aí a gente arrumava um jeitinho de contornar, pra se sentir "impedida" de cumprir a obrigação e fazer o que quisesse. na hora funcionava, mas depois era mesmo isso que você disse: a gente cai na real que está se roubando, e além da sensação ruim, ainda por cima tem que lidar com as consequências da irreponsabilidade.

Laeticia disse...

Oi, Sílvia. Já te disse por telefone e agora vou dizer de novo: estou muito, mas muito feliz mesmo de ver que você finalmente criou coragem pra realizar um sonho que sempre esteve ao seu alcance. Vá com fé, minha amiga, e depois me conte o que foi que você aprendeu e me ensine mais um pouco também! Seja feliz!

Carollinna disse...

Que bom. Continue nessa linha e a diferença logo se mostrará em sonhos realizados.
Felicidades.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...