sábado, 8 de novembro de 2008

Temporal

Só hoje! Aproveite! Nem pensar! Esqueci completamente! 50% de desconto! Corra! Voe! Viaje! Curta! Fume! Beba! Compre! Compre! Está atrasada! É Natal! Nem pensar! É um assalto! Que canseira! Que alegria! Mais rápido! Mais caro! Mais vendido! Mais longe! Maior! Melhor! Vencer! Vote! Leia! Saiba! Decida! Decida! Escolha! É Natal! É fim de ano! Ano novo, vida nova! Ufa!

Em meio a esse temporal de exclamações, consegui abrir minha frágil sombrinha ensolarada para conseguir escrever este texto, que na verdade, será sobre o nada.

Vamos falar de amenidades. Lembrar de uma piada antiga. Olhar o céu e refletir. Tenho um lance muito forte com o céu, dia ou noite. Adoro olhar. Adoro a sensação de observá-lo em todas as suas sutilezas.  

Lembro agora de coisas a fazer ainda para hoje, outras para amanhã, algumas por terminar e outras ainda por começar... Mas este tempo tirei apenas para o texto, os demais afazeres que aguardem.

E por falar em blog, dia destes, numa palestra que assistia, estava sendo falado sobre as poucas oportunidades em que escrevemos na vida adulta não-escolar, restringindo a poucos momentos e poucos estilos de texto o exercício de redigir. Me senti privilegiada! Eu escrevo todas as semanas, mesmo que ainda que seja sobre o nada.

Que vontade de parar este texto só por um pouquinho e enviar aquele e-mail antes que eu esqueça... Não, depois, agora me dedico ao texto e ao nada.

Falando nisso, vocês já leram aquele livro sobre o ócio criativo? É velho já, mas está ainda na minha lista de livros para ler. E esta se encontra logo abaixo da minha pilha de livros para ler. Lá está, ainda, “A menina que roubava livros”, que poupei por tanto tempo que perdi o ritmo da história, vou começar de novo. Está o livro do Pablo Neruda que vou ler nas férias, porque agora tenho sono só de pega-lo. Estão poemas emprestados com muito carinho. Estão crônicas ferinas e inteligentes; e também livros de trabalho, como não?

E para cada pensamento e para cada lembrança e para cada idéia outras e outras surgem e delas mais tantas outras...Não sei mais se sobre o nada ou se sobre o tudo.

Será que minha sombrinha agüenta? Você me ajuda? Essa inundação de exclamações vai me arrastar... 

Renata admite que este texto é um engodo. Não dedicou um só segundo exclusivamente a ele, pois o redigiu em meio a um intenso falatório, cheio de exclamações e com o coração ainda apertado. 

P. S.: na vida real, Renata perdeu sua sombrinha ensolarada. Se alguém encontrar, favor procura-la em meio ao temporal de exclamações.

 

 

2 comentários:

vanandram disse...

Renata,
seu texto é um verdadeiro convite!
Bjs, Vanessa.

Ps. Se eu encontrar, mando para vc!
Bjs!!!
Vanessa.

Gisele Lins disse...

Oi Rê! Adorei o Temporal... Que venham outros para te ispirar assim! Beijão!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...