sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Sobre as possibilidades de amar

Outro dia estive conversando com meu Fiel Escudeiro Lusitano (sim, tenho dois escudeiros, quanta sorte!) sobre amor. Eu sempre fui adepta da idéia de que existe uma pessoa escolhida pra cada um. A vida conspira de forma a fazer vocês se encontrarem, mas a responsabilidade de não deixar este amor escapar por entre seus dedos é unicamente sua. Pra mim, essa idéia sempre foi tão óbvia, que nunca cogitei a possibilidade de ser diferente, tanto que nunca gastei muita saliva expondo este ponto de vista pra outras pessoas.

Até que ele falou uma coisa que me pôs pra pensar, mais ainda em como eu nunca havia enxergado isso antes! Ele comentou que no mundo há bilhões de pessoas (6,6 bilhões em estimativa de 2007, de acordo com a Wikipedia), imagine quantas dessas combinam com você? Imagine que existem pessoas que você nunca irá encontrar na vida, mas que, se encontrasse, seriam muito felizes juntos, ou seriam grandes amigos?

Mas o que ele me chamou atenção não foi pra essas pessoas que vivem escondidas em um dos muitos cantos do mundo, mas sim pessoas que estão ali perto, passam do seu lado, cruzam seu caminho, você mal troca olhares e nunca mais vê na vida. Quais as chances daquela pessoa ser uma das que mais combinam com você no mundo? E se aquele cara que atravessou a rua correndo na sua frente sentir o mesmo frio na barriga quando ouve aquela música que você ama? E se aquela moça com cara de entediada no ponto de ônibus sonha com um futuro igualzinho o seu, com um cara igualzinho você, e fica suspirando esperando ele chegar? Quantas pessoas que passam do seu lado e você mal repara podem ser aquela pessoa com quem você se divertiria muito o resto da vida, aquela que te incentivaria a fazer aquela pós graduação, que teria paciência com seu filho pequeno, que adoraria aquela sua família que você acha meio doida? Porque mesmo com milhões (ou na pior das hipóteses, milhares) de pessoas que tem tudo a ver com você, você se convence que só aquele (a) é capaz de fazer seu coração bater mais forte?

Essa idéia foi um pouco assustadora (deixar passar tantas possibilidades de ser feliz), mas ainda tive forças pra me lembrar daquelas pessoas com quem você convive, mas simplesmente nem considera a possibilidade que ela seja uma dessas pessoas (e podem ser milhões delas!) que poderiam construir uma vida feliz com você, enquanto você fica chorando pelos cantos por um babaca que não te merece, ou por uma mulher que só te usa pra joguinhos que massageiam o ego dela. Dê uma reparada do lado! Quanta gente bacana ali, do seu lado, e você olha através dessas pessoas, como se elas fossem invisíveis... Quantas pessoas que convivem com você não te acham apaixonante, e mesmo assim você se recusa a olhar pra elas com um pouco de boa vontade? Como já disse a Martha Medeiros, se uma pessoa gosta de você, é um bom sinal de que ela não é tão idiota assim. Pense nisto.


Sisa, 28 anos, solteira, vai pensar neste assunto até se convencer de alguém só não enxerga pessoas interessantes se for mesmo cego – nem que seja de amor por alguém que não o merece.



13 comentários:

Débora disse...

É, realmente temos que olhar ao nosso redor! Eu sou prova viva disso! Fui a fim do meu marido durante toda a faculdade e ele me achava sem graça e nunca quis ficar comigo. Por obra do destino eu acabei a faculdade e fui morar em São José dos Campos e ele, em Lorena, cidades bem próximas. Então nos reencontramos, ficamos, começamos a namorar e logo em seguida casamos! Ele era justamente uma pessoa muito próxima a mim na faculdade que nunca imaginei a possibilidade de nos casarmos (mesmo pq fui “desprezada” durante 5 anos)! O que vc disse vale mais pra ele, pq eu era a mulher da vida dele (rsrs) e ele não tinha percebido! Ainda bem que sempre há tempo de ser feliz! bjs

Louise disse...

É Sisa, como sempre arrasou!!!
Concordo em genero, número e grau, eu sou prova viva de que muitas vezes agente tem mesmo é que enchergar algo que já está do nosso lado e só agente não viu...rs
Beijo!!!

Paula disse...

Oi Cecília!
Na minha opinião, sabe quando a gente conhece uma pessoa bacana que pode vir a namorar ou que pode se tornar um(a) grande amigo(a)? Quando menos espera!
Eu não acho que você tem que ter medo das possibilidades perdidas; acredito que se a gente muda o foco, pode encontrar milhões de pessoas interessantes! Eu, por exemplo, fiz as maiores amizades com as pessoa mais improváveis e conheci meu marido quando não queria saber de ninguém!
Seu amigo está certo: quem disse que só cabe uma tampa em uma panela rs? E você também está certa: das pessoas que não são legais, deve-se manter distância!
Excelente texto, só para variar rs!
Beijos.

Gisele Lins disse...

ESpetáculo, Sisa! Adorei!
Reparem como este mundão de hoje está nos obrigando a rever nossos conceitos, principalmente a respeito de relacionamentos. De início a gente até pode se sentir meio perdida, por naõ estar acostumada com a nova realidae, mas olha o exemplo que voçê deu... Poder ser a tampa de várias panelas é assustador, mas depois que passa o pânico, vai dizer que não um alívio, uma sensação de liberdade?
Muito tri o texto mesmo!

Um beijão!

Kimera Kenaun disse...

"Agora não vou mais chorar... Cansei de esperar...De esperar enfim...E pra começar eu só vou gostar De quem gosta de mim lalala lalala..."

me lembrou essa música seu texto... desde a sétima série eu fico assombrada com a hipótese de haver 7, isso mesmo 7, pessoas iguais a mim no mundo...agora, além de conviver com isso terei que assimilar a idéia que o amor da minha vida pode estar do outro lado da plataforma do trem, mas eu nunca irei encontrá-lo =/

ótimo texto, garota!

Angel disse...

Sisa, eu sei que vc fez esse texto pensando em mim, confesse! Se não for, não me fale...rsrsrsrs. Estou vivendo um momento bem semelhante e é gratificante concluir que as afinidades estão bem próximas.
Beijos
Angel

Anônimo disse...

Verdade, Verdade, Verdade!!! Difícil é quando se depara com essas pessoas aos mesmo tempo.... e isso definitivamente pode acontecer!

Milena disse...

Nossa, tem gente se deparando com vários amores ao mesmo tempo, gente achando que o amor está do outro lado da plataforma do trem, gente que se reencontrou depois de anos.
São muitas variações sobre o mesmo tema...
Como eu já disse em algum comentário por aqui, o amor pode estar em qualquer lugar, é só sintonizar a freqüência certa =)
Muito bom o texto!

Renata disse...

Adorei seu texto! É bom lembrar que das nossas atitudes podem vir grandes amizades, grandes amores ou apenas conhecidos, que logo esqueceremos.
Bjs

Silvia disse...

Ai Cecília vc já sabe né, eu sou assim mesmo, sempre enchergo nos outros tantas possibilidades, tantas afinidades, mesmo quando na verdade não são tantas assim, sempre acho que "agora acertei", mas tenho me perguntado muito por que os outros não são assim também, abertos as possibilidades... vai saber né!? Talvez sejam realmente cegos de não quererem me ver direito...Beijos, Silvia.

Andréa disse...

Sisa,

Também já pensei nisto. Lembro-me que, quando era adolescente, havia um menino na minha rua por quem era apaixonada, apaixonada mesmo. E ele nem me dava bola, sempre me desprezava. Até que um dia me enchi e pensei: "não é possível que eu goste de alguém que não gosta de mim. Se ele não gosta de mim, então não é pra ser. Eu é que estou obcecada com uma coisa que não existe". E passei a olhar pra quem gostava de mim.

Porque amor, no meu entender, tem que ser recíproco. Se não for, então é melhor esquecer e partir pra outra. E a gente consegue. Parece que é difícil, que vai ser impossível, mas a gente consegue.
Basta abrir a mente e o coração para aqueles que estão à nossa volta e que são amores possíveis.

Eu concordo com seu amigo: no meio de tantas pessoas interessantes que estão à nossa volta o tempo todo, chega a ser matematicamente impossível que não encontremos alguém com que possamos ser realmente felizes.

Beijo grande.

Laeticia disse...

Olha, vou dizer uma coisa que não parece crível, mas é verdade: nunca realmente parei pra pensar na "pessoa ideal" ou na "pessoa com quem eu serei feliz". Acho que dei sorte. Sempre encontrei pessoas bacanas (umas mais, outras menos e outras nada bacanas, mas que me fizeram aprender coisas bacanas). Há 7 anos encontrei o cara mais bacana do mundo e vivemos felizes de dar inveja em gente mal amada (com direito tb às agruras de um relacionamento sincero, é claro). Mas uma coisa é certa, tem que ter mais que amor. O amor sozinho não se basta. Então, acho válido pra quem busca um amor buscar também companheirismo, amizade, carinho, respeito, orgulho de estar do lado e um bom papo. Afinal, se der tudo certo e a gente for feliz para todo o sempre, vai chegar uma hora que o mais importante vai ser gostar de conversar um com o outro e isso exige tanta coisa que o amor sozinho não dá conta :-)

Nayara disse...

Amei isso... nunca parei pra pensar desse jeito.... e realmente é verdade...

Estou seguindo vcs!

Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...